Revisão sistemática da literatura – um protocolo

Objetivo: Rigor e replicabilidade

  1. Definir tema, área de investigação
    1. procurar o que não se sabe sobre o tema e gaps (por exemplo, se há pouca literatura sobre essas “lacunas”, isso pode ser inspirador da pesquisa)
  2. Neste espectro, o que que queremos saber?
    1. Escrever as perguntas de investigação
  3. Criar um protocolo de pesquisa
    1. Em que bases de dados? (há bases de dados específicos (ex, eric para a educação), por exemplo)
    2. Que critérios de exclusão e inclusão? Leitura de artigos científicos, período temporal, língua, autores de referência, e que discuta a sustentabilidade
    3. Período temporal (ex. sustentabilidade e impacto, desde o ano 2000, objetivos do milenio e sustentabilidade)
    4. Definir palavras-chave (observar artigos de outros investigadores e compreender que palavras-chaves , ex. sustainability-> project sustainability)
    5. Ferramentas (Excel, ou outras), webQDA (especialmente se a técnica de análise de dados implica codificação), Mendeley
    6. Pesquisa nas bases de dados (às x só precisamos de uma base de dados)
      1. Ler os resumos e as palavras chave dos artigos pesquisados
      2. Usar operadores boleanos (and, or, aspas)
      3. Desenhar um fluxograma para esquematizar o processo de seleção de artigos
      4. Codificação da caracterização dos artigos
    1. Link para recuperar a pesquisa (conjunto das palavras-chave com os filtros, etc)
    2. Tenho um corpus e agora?
      1. Identificar a técnica de análise de dados e tipo de revisão de literatura
        1. Ler sobre tipos de rev de literatura (brent e booth)
      2. Técnicas de análise de dados (conteúdo e contexto)
      3. Identificar tipos de análise da literatura, mas fixar-se num referencial teórico (fichas de leitura, e comentários)
      4. Revisão de literatura + teoria conceptual (passos para análise de conteúdo)
      5. Fichas de leitura (palavras-chave, temas, citações relevantes, referências bibliográficas, resumo) + webQDA
  4. Dicas
    1. Começar a escrita da revisão sistemática pela metodologia
    2. Ideia de escrever já layout do artigo
    3. Usar o WebQDA + categorias de análise
  5. Escrever
    1. Cruzar informaçao : procurar pontos comuns na informação organizada nas fichas de leitura e posicionamento crítico (eu concordo mais com a ideia x do que com a ideia y). Ê importante haver posicionamento senão estamos apenas a replicar a informação de outros – é a nossa opinião que cria a nossa identidade, e dá o contributo. Sempre de forma fundamentada, acrescentar algo aos autores lidos.
    2. Escrever a introdução com base nas ideias da recolha primaria de pesquisa + ideias complementares
    3. Revisão da literatura versus estado da arte: espaço temporal. Estado da arte (até 5 anos antes), revisão sistemática da literatura pode ser mais abrangente dependendo do objetivo (para sustentabilidade e objetivos do milénio não poderia ser escrito apenas de pesquisa feita há cinco anos)

Revisão sistemática da literatura

Revisões sistemáticas da literatura têm como objetivo apresentar uma avaliação criteriosa de um tópico de investigação através de metodologia que permita a auditoria dessa revisão.

Seguindo Alarcão, a revisão sistemática da literatura passa pelo mapeamento, que significa listar os autores principais que nos anos recentes têm criado referências sobre o objeto de estudo, a garimpagem ou filtragem dos autores, e categorizá-los em relação aos objetivos do trabalho e à epistemologia pessoal de cada um de nós enquanto investigadores. E por último, a revisão sistemática da literatura passa pela autoria, que é a construção do pensamento a partir das escolhas e exclusões (justificadas também) dos autores que serão o quadro de referência.

Ideias-chave da revisão de literatura

Da Wikipedia

Baxter, Hughes and Tight (2001)

Anderson & Arsenault (2002)

Hart (1998)

1. Seleção – que textos vou ler?

2. Análise –

3. Como é que isto está a ser investigado? Aqui começa o aspeto crítico. A forma como isto está a ser investigado. Por exemplo, apenas um único método, hipóteses (vs. explorar). A forma como o conhecimento é construído leva a que o conhecimento seja um e não outro. Pode até levar a influenciar os resultados. Os resultados dependem do método utilizado e das questões científicas e têm de ser colocados em contexto. Tem a ver com as condições sócio-culturais e econômicas. O método e a forma ao serviço de determinadas agendas ideológicas é que produz resultados. A verdade dos resultados pode até ser verdade, mas não desmonta necessariamente o contexto para

Instrumentos de avaliação da qualidade dos textos. Instrumentos de avaliação dos artigos. Não é só a peer review. As regras de exclusão do artigo. Má qualidade da investigação é importante analisar.

O lobby das publicações é enorme.

Deve-se reter:

O corpo de conhecimentos que já está produzido por outras pessoas, ou saberes quem são, identificarmos os companheiros de viagem, ver os projetos no Orcid.

A revisão de literatura é um processo em fase. É preciso coligir ideias. Há que analisar, ler e tomar notas.

Avaliar criticamente é também interpretar com epistemologia

Sistematozar

Apresentar

A finalidade da revisão sistemática da literatura é definir o contributo que nos permite aprofundar a metodologia (caso, biografias, etc)

Documentado, pessoal

A pessoalidade vem das questões que se colocam, nos textos didáticos escolhidos, nas abordagens,

O que se traz para a discussão é que mostra como se lê o mundo. Aí vê.se os posicionamentos que se podem discutir.

Estado da arte

O grupo de Geneve para o Português

Intercompreensão romanófona

Pluricentrismo

Sustentabilidade

Intercompreensão das línguas românicas (compreensão ou interação)

Intercompreensão da interação

Sócio-interacionismo

Em síntese já se sabe isto, isto e isto, neste trabalho vamos procurar alcançar isto Qual é o contributo / que novos caminhos propõe a nossa tese?

Do ponto de vista metodológico, porque é que isto interessa?

A totalidade dos objetivos é os

Identificar os gaps

Videos plurilingues

A maioria dos estudos são case studies, mas não há sondagens que nos permitam a contextualização macro dos estudos de caso.

Your site doesn’t have any tags, so there’s nothing to display here at the moment.

A ferramenta Start apresenta um conjunto de etapas

Planear

Protocolo

Objective: Este protocolo de RSL apresenta a estrutura metodológica para a execução da etapa de revisão da literatura sobre XXXXXX.

Main question: Os mapas conceptuais podem ser usados como instrumentos de avaliação de aprendizagem ?(Questão principal de investigação das bases de dados / mais fácil se proporcionar sim ou não )

Population: Produções científicas sobre o uso de (ex. mapas conceptuais)….

Intervention: Leitura e separação de utilização de mapas conceptuais

Critérios de inclusão e exclusão e duplicados

Control: Artigos que efetivamente usam … (ex. mapas conceptuais)

Outcomes (Results): Ex. Mapas conceptuais usados para avaliação

Context (Application): Avaliação da aprendizagem com mapas conceptuais (e.g)

Execução

Bases de dados (IEEE.org, Scopus, Web of Science,

Sumário

rigor e replicabilidade

  1. tema e área de investigação
    1. procurar o que não se sabe sobre o tema e gaps (poica literatira sobre essas “lacunas”
    2. dentro deste espetro o que que queremos saber?
    3. desenhar as perguntas de investigação
  2. criar um protocolo de pesquisa
    1. em bases de dados que critérios de exclusão e inclusão
    2. há bases de dados específicos (ex, eric para a educação)
    3. período temporal (ex. sustentabilidade e impacto, desde o ano 2000 — sustentabilidade)
    4. palavras-chave (observar artigos de outros investigadores e compreender que palavras-chaves – project sustainability)
    5. ferramentas (excel, ou outras), webQDA (a técnica de análise de dados implica codificação), Mendeley
    6. Critérios de inclusão / exclusão: artigos científicos, período temporal, língua, autores de referência, e que discuta a sustentabilidade
    7. A seguir, bases de dados: às x só precisamos de uma base de dados, ler os resumos e as palavras chave
    8. prestar atenção aos operadores boleanos (and, or, aspas (scielo)
    9. Fluxograma para esquematizar o processo de seleção de artigos para
    10. Codificação da caracterização dos artigos
    11. Link para recuperar a pesquisa (conunto das palavras-chave com os filtros, etc)
    12. Tenho um corpus e agora?
      1. Identificar a tecnica de análise de dados e tipo de revisão de literatura
      2. Ler sobre tipos de rev de literatura (brent e booth)
      3. Técnicas de análise de dados (conteúdo e contexto)
      4. Identificar tipos de análise da literatura, mas fixar-se num referencial teórico (fichas de leitura, e comentários)
      5. Rev de literatura + teoria conceptual (passos para análise de conteúdo)
      6. Fichas de leitura (palavras-chave, temas, citações relevantes, referências bibliográficas, resumo) + webQDA
      7. Começar pela metodologia
      8. Ideia de artigos no layout do artigo
      9. WebQDA + catgorias de análise
    13. Escrever
      1. cruzar informaçao : procurar pontos comuns na informação organizada nas fichas de leitura e posicionarem-se criticamente (eu concordo mais com a ideia x do que com a ideia y). Importante haver posicionamento senão estamos apenas a replicar a informação de outros – é a nossa opinião que cria a nossa identidade, e dá o contributo. Sempre de forma fundamentada, acrescentar algo aos autores lidos.
    14. Na Introdução, recolha + complementares
    15. Revisão da literatura versus estado da arte: espaço temporal. Estado da arte (até 5 anos antes), revisão sistemática da literatura pode ser mais abrangente dependendo do objjetivo (sustentabilidade e obetivos do milénio)